O PHP morreu. Viva o PHP!

Apesar de estar em mais de 80% dos sítios na Web, incluindo Facebook e Wikipédia, os detratores continuam dizendo que o PHP morreu. Será mesmo?

Estes tempos estava conversando com um grupo de colegas de um curso e alguém me declara: “mas o PHP está morrendo, né?”.

Acho engraçado isso. Mais do que isso, acho engraçado aquele pessoal vive na busca sôfrega por duas coisas: “qual/quem é o melhor?” e “qual/quem é o moribundo?”. Toda a vez que surge uma nova tecnologia, a galera fica desesperada para que ela seja a “ferramenta definitiva”, matando tudo que tem em volta. Pois a bola da vez parece ser o PHP.

Eu trabalho com o PHP desde um pouco antes de começar com o WordPress. O WordPress é feito em PHP e pretende continuar usando a linguagem em longo prazo, o que me faz pensar rapidamente que: NÃO, O PHP NÃO MORREU.

E antes de alguém dizer “mas…” vou apelar para as estatísticas da W3Techs:

W3Techs: Usage of server-side programming languages for websites (Uso de linguagens de programação para websites que rodam do lado do servidor), consultado em 26 de fevereiro de 2018.

OITENTA E TRÊS POR CENTO de presença na Internet. Parece pouco?

“Ah, mas porque tem um monte de CMS feito em PHP e a estatística fica distorcida!” Muito bem, Mike Oram em seu artigo “Is PHP relevant” nos conta que mesmo sem os CMSs, o PHP continua com 54% da Web. Adicione-se a isso o fato de sítios como Facebook, Ali Express, Wikipedia e outros terem escolhido o PHP como ferramenta de desenvolvimento. Parece irrelevante?

E a tendência do uso de PHP não é de baixa, ao contrário, a linguagem chegou a AUMENTAR levemente sua presença no último ano, como podemos ver neste gráfico também da W3Techs.

W3Techs: Historical trends in the usage of server-side programming languages for websites (Tendência histórica do uso de liguagens de programação para websites do lado do servidor), consultado em 26 de fevereiro de 2018.

Acho que isso é o suficiente para provar que apesar dos seus detratores e “haters”, o PHP continua firme e forte há mais de 20 anos (foi lançada em 1995).

Claro que a linguagem tem suas “falhas” ou “problemas”, como alguém pode dizer, dizendo que tem erros ou indicando que é fracamente tipada, por exemplo. Pois para o primeiro argumento, sugiro se atualizar, pois ainda em 2009 a versão 5.3 resolveu a maioria dos “bugs tradicionais” encerrando de vez o assunto. E para o segundo, bem, eu considero uma VANTAGEM, que um bom programador saberá usar a seu favor!

Já estamos na versão 7.2 e posso dizer que a linguagem só melhora, com um salto incrível de velocidade a partir da versão 7 (tanto que se pulou da versão 5.6 para a 7.0 direto!).

Ainda não te convenceste? Te dou uma dica: lê o artigo “7 linguagens de programação que todo o desenvolvedor deveria aprender em 2018” da TechRepublic. O PHP está lá, só para constar.

Pagamos caro por uma Internet ruim; e querem piorar

Transmissões pela Internet é um caminho sem volta e os “datilógrafos” do Brasil querem obrigar os seus clientes a continuar consumindo seus produtos obsoletos.

Para quem ainda não entendeu a extensão do “golpe” dos provedores de Internet, saibam que mesmo que não se use o Netflix, ainda temos muitos serviços que consomem um volume de dados considerável.

Tanto que os próprios programas têm a opção de fazer transferências só quando conectado no WiFi para “não consumir franquia de dados 3G”.

Alguns exemplos de serviços que serão afetados:

– armazenamento em nuvem: Dropbox, Microsoft OneDrive, Apple iCloud, Google Drive, etc.
– portais de vídeo: YouTube, Vimeo, G1, R7, Terra, UOL, etc.
– vídeo por demanda: Netflix, NET now, etc.
– transmissões em linha: todos os canais que têm aplicativos, etc.

Para quem ainda não entendeu o porquê, saibam que o Netflix é um dos principais concorrentes da TV a cabo, e a ideia, é claro, dar um golpe nos provedores de conteúdo.

Transmissões pela Internet é um caminho sem volta e os “datilógrafos” do Brasil querem obrigar os seus clientes a continuar consumindo seus produtos obsoletos. A venda casada é clara: se comprares a TV junto, a conexão Internet sai mais barato. NÃO COMPRO.

Minha dica de protesto:

– ao contratar uma conexão Internet para ti, NÃO COMPRES a TV e o telefone (ninguém usa, ninguém vê), mesmo que seja mais caro;
– ao comprar um telefone fixo, NÃO COMPRES VoIP, porque se faltar luz, ficarás sem telefone (podes usar qualquer mensageiro como Skype, Hangouts, etc. em vez disso, é um serviço pago inútil);
– opte por provedores que oferecerem uma banda cheia, que não se protejam atrás da regulamentação ridícula da Anatel, que obriga os provedores a entregar 40% da banda nominal (te vendem 10MB e te entregam 4MB, isso quando entregam);
– se teu plano atual não tem franquia de dados NÃO MUDA; os novos já têm isso.

Um detalhe importante: os provedores que tiverem planos por franquia de dados são OBRIGADOS a fornecer uma ferramenta para controle do consumo. Sem ela, NÃO PODEM oferecer planos limitados.

Temos uma das piores infraestruturas de Internet do mundo e ainda temos que pagar caro por ela.

A última dica então é: NÃO CONSUMAS o que não precisas. Gasta teu dinheiro de maneira consciente e não pagues por porcarias.

iDiots: uma animação sobre obsolescência programada e dependência

Não somos todos um pouco iDiotas em determinados momentos e nos deixamos levar pelos impulsos?

Somos todos vidrados em novas tecnologias e é verdade que hoje em dia o ciclo de renovação dos produtos é acelerado não só pelas novas exigências criadas pelo mercado, mas porque a duração dos produtos é menor que antigamente.

A animação iDiots, produzida pelo estúdio Big Lazy Robot, brinca com esta temática dupla do vício pelo telefone e a obsolescência planejada, colocando em cena robôs que compram um novo telefone. Eles então se grudam em seus iDiot 4 e descobrem novos aplicativos até a morte de seu telefone… e a chegada do próximo modelo!

Curiosidade: os robôs apresentados no filme são modelos japoneses reais, vendidos em um kit.

Não precisas ficar com vergonha ao ver este vídeo, podes rir de ti mesmo. Afinal de contas, nós todos somos um pouco iDiotas em determinados momentos de nossas vidas e nem sempre conseguimos controlar nossos impulsos.

Gaudério, um plug-in para WordPress

Este é meu primeiro plug-in para Wordpress: um tributo ao próprio criador da plataforma e uma homenagem ao meu Rio Grande do Sul!

Muitos sabem que sou fã da plataforma WordPress e uso-a frequentemente, para todos os meus blogs e trabalhos, incluindo o Randomicidades. A plataforma usa um sistema de “plug-ins” (complementos) que estendem as capacidades do software, adicionando funcionalidades.

Um dos mais famosos plug-ins é o “Hello Dolly”, feito pelo próprio Matt Mullenweg, criador do WordPress. Este plug-in simples faz apenas uma coisa: seleciona aleatoriamente um verso da canção de Louis Armstrong e mostra na tela de administração. É uma homenagem, mas também uma maneira de mostrar como é fácil incrementar os recursos da plataforma.

Baseado neste código, eu desenvolvi meu primeiro plug-in para WordPress. Além de ser um tributo ao próprio criador da plataforma, é também uma homenagem a minha querência, o Rio Grande do Sul.

Gaudério é um plug-in simples: ao instalá-lo, verás na tela de administração do teu sistema um verso do poema “Gaudério” do poeta gaúcho João da Cunha Vargas, colhido aleatoriamente.

Instrução de instalação:

1) Clica no link abaixo para baixares o arquivo ZIP.

» CLICA AQUI para baixar o plug-in GAUDÉRIO

2) Sobe o pacote pelo painel de administração do WordPress.

randomicidades-instalar-novo-plug-in-enviar
Espero que seja do gosto dos desenvolvedores gaúchos. A la putcha, tchê!