Abraço dos ventos

Antes, sentia-me cruel, mas agora isto não acontece mais. Apenas alguns arrepios estranhos restaram; são meus anjos da guarda que me guiam na minha jornada, cuidando para que eu não esqueça quem eu sou.

A casa está vazia, mas não me sinto vazio. O sol e a alegria estão em todos os cômodos, que aguardam a sua vez de acolher novas idéias. As lembranças ficarão, e irão me abençoar nas minhas novas escolhas.

Estou aqui, despojado e altivo, pronto para atravessar mais um oceano e chegar ao próximo porto.

E eu sinto o abraço bom dos ventos, que me empurram com força.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.